Um Dia na Broadway

Um Dia na Broadway – O Musical dos Musicais reestreia no Teatro Claro, em São Paulo, no dia 08 de janeiro de 2022

Ao revisitar 10 dos mais icônicos musicais americanos “Um Dia na Broadway”, como Priscila, Evita, Chicago, Cats e Mamma Mia, entre outros, a proposta do diretor Billy Bond é reproduzir o espírito de Nova York

Craque no estilo family shows (“minha especialidade”), ele, que está há mais de 30 anos no Brasil, segue à frente da Black & Red Produções, hoje junto à diretora de produção Andrea Oliveira. Com 32 artistas em cena, esta é a mais recente criação do repertório do encenador Billy Bond.

Um Dia na Broadway

Billy Bond sabe do encantamento dos brasileiros por Nova York. Acredita que o programa preferido dos turistas daqui por lá, além de fazer compras, é visitar os teatros, pontos icônicos da cidade – como a Estátua da Liberdade e o Empire State. Assim, criou seu novo espetáculo na medida para seduzir uma platéia ávida para ver os “melhores espetáculos do mundo”.

Há mais de 30 anos no Brasil, Bond investe em sua experiência e talento para produzir e dirigir musicais. Depois de quase 15 anos encenando clássicos do universo infantil, o diretor e músico voltou a montar espetáculos adultos em 2018, com a estreia de Um Dia na Broadway, que agora faz nova temporada em janeiro no Teatro Claro-SP, no Shopping Vila Olímpia, a partir de 8 de janeiro até 20 de fevereiro de 2022.

A montagem reproduz a atmosfera de 10 dos mais famosos musicais de todos os tempos, em imagens, figurinos, cenariose músicas cantadas ao vivo. São eles: Priscila (aosom de It’s Raining Men), Evita (Don’t cry for me Argentina), Chicago (All that jazz), Grease (Summer Night), Les Miserable (One day more), Mary Poppins (Supercalifragilistic), Fantasma da Opera( The Pahnton of the Opera), A Bela e a Fera ( Beauty and the Best) Cats (Memories), Mamma Mia (Dancing Queen), Welcome In New York, Empire My Mind , Money Monet , On Broadway.

São nove cenas em cada um dos dois atos. 1 º ato: Abertura, Família, Grand Station, Times Square, Priscila, Grease, Cats, Chicago e Les Miserables. 2º ato: Wall Street, Empire State, West Side Story, Mary Poppins, Evita, Fantasma da Opera, A Bela e a Fera, Mamma Mia, Empire State e Final.

Um Dia na Broadway

A ideia do diretor é recriar no espetáculo o espírito de Nova York. Billy quer agradar quem conhece e ama a cidade e também os que nunca estiveram por lá. Para levar o público nessa viagem, criou uma ambientação característica. Um painel de 160 metros de tiras de luz de LED exibe imagem de pontos turísticos clássicos da metrópole, como Times Square, Broadway, Estátua da Liberdade, Wall Street, Harlem, Empire State, Metrô eGrand Central Station.

Minucioso e detalhista, Billy pretende que o espectador se reconheça no palco e nas personagens. Assim, até os ruídos característicos da cidade também devem cumprir seu papel de transportar o público nessa trajetória. Em estilo grandioso, a abertura com 20 bailarinos é um convite para se deixar envolver pelo universo dos musicais o encantamento de New York.

“Somos admiradores de Nova York, viajamos para lá anualmente, duas vezes por ano, no verão e no inverno”, conta, falando também em nome da mulher, a produtora executiva Andrea Oliveira. Um dos investimentos mais curiosos da produção é um carro tingido de amarelo fazendo às vezes de um táxi aos moldes dos que circulam pelas ruas da cidade.

Com direção geral e dramaturgia de Billy Bond e Andrew Mettine, adaptação de Billy Bond e Lilio Alonso, direção musical e arranjos de Bond e Villa, direção de cena de MarcioYacoff e coreografia de Italo Rodrigues

Produção tem números aéreos e efeitos especiais

Como não pode faltar nas montagens do diretor, a encenação utiliza números aéreos, levitação e outros truques e efeitos especiais. Para dar a sensação de 3D, Billy explica que há um cenário virtual (foram compradas imagens em 4K em NY) e um físico, os dois mesclados. Foi construído um palco giratório automatizado de 15 por sete metros. Surround, o som envolverá o público. Para que tudo sai como o diretor concebeu, uma equipe de 10 profissionais trabalha há meses na computação gráfica. A reprodução dos espaços da cidade tem de ser fiel. É exigência de Billy.

Um Dia na Broadway

São 32 pessoas em cena, entre atores, cantores e bailarinos, músicos e técnicos. A história começa com a chegada de uma família de férias em Nova York. Acompanhado pelos filhos, o casal viaja o a fim de comemorar o aniversário de casamento onde se conheceu e se apaixonou. Logo há um desencontro e as crianças se perdem dos pais no metrô da Grand Central Station.

A partir de então, na tentativa de reencontrar os pais, os irmãos – sabendo da páixão dos pais por musicais – se aventuram por lugares onde acreditam que encontrarão o casal. Visitam os teatros da Broadway e assistem trechos de musicais clássicos. Na plateia, o público acompanha a saga da família e se delicia com as cenas concebidas por Billy, com inspiração na atmosfera de 10 dos mais famosos musicais de todos os tempos.

No decorrer da trama, uma personagem entra para ajudar a contar a história. Trata-se do próprio George Michael Cohan, artista identificado como um dos primeiros a fazer espetáculos no formato de musical nos Estados unidos.

Para dar suporte e veracidade ao cenário virtual, a montagem conta com cenários físicos e outros elementos cenográficos, que estão sendo construídos no galpão da produtora, em Embu das Artes. A produção investiu na compra de um automóvel a ser usado como táxi cenográfico no palco. Retirou motor e outras, peças internas e pintou de amarelo. É nele que os personagens vão se movimentar pela cidade.

30 anos de Brasil

Nascido Giuliano Canterini, em Lá Spezia, Itália, Billy Bond desenvolveu carreira na Argentina, onde morou por mais de 15 anos e fez sucesso no mundo do rock’n’ roll na década de 70. No fim dos anos 60, Bond lotava espaços em meio à ditadura na Argentina, com o grupo de hard rock Billy Bond Y La Pesada. Também produzia espetáculos pop. Alguns duramente reprimidos pela polícia, como o que fez em 1972 no Luna Park. Chegou a ter mais de 100 músicas censuradas na época.

Chegou ao Brasil em 1974, diretamente no Rio e depois em São Paulo, onde mora atualmente. Aqui foi cantor da banda punk Joelho de Porco, dirigiu o primeiro show de Ney Matogrosso após a saída dos Secos & Molhados e produziu o show da banda Queen no estádio do Morumbi, em 1981.

Precursor dos musicais de grande porte, assinou a direção-geral da versão brasileira de Rent, em 1999. São mais de 30 títulos na bagagem, entre eles, O Beijo da Mulher AranhaOs Miseráveis e After de Luge, entre outros. A partir dos anos 2000, Billy sedimentou seu formato de encenar espetáculos musicais com total liberdade de criação.

Assim, depois de 2004 direcionou seu foco de interesse para revisitar e homenagear clássicos de todos os tempos da Literatura Infantil. A primeira foi montagem foi O Mágico de Oz, prestigiada por um público superior a um milhão e 800 mil espectadores em toda América Latina. O segundo espetáculo, Pinóquio – o Musical , estreou em 2006 e foi aplaudido por mais de 900 mil pessoas no Brasil. Em seguida, foram apresentadas as montagens de A Bela e a Fera, Peter Pan, Branca de Neve, CinderellaA Bela AdormecidaAlice no País das Maravilhas, entre outros.


Leia Também: Livelo apoia Cirque du Soleil e ingressos podem ser trocados com pontos


Siga @Nerdrecomenda nas redes Sociais

Facebook Instragram Twitter

Um comentário

Deixe seu Comentário

%d blogueiros gostam disto: