Volta ao Mundo: Coreia do Sul

Festival de cinema coreano: “Volta ao Mundo: Coreia do Sul”, com sete filmes, de 16 a 30/09

Petra Belas Artes À La Carte, em parceria com o Centro Cultural Coreano no Brasil, apresenta: “Volta ao Mundo: Coreia do Sul”, com exibição de obras inéditos da filmografia do país

Os festivais do Petra Belas Artes À La Carte são um grande sucesso e o próximo já tem tem a data marcada: “Volta ao Mundo: Coreia do Sul”, que acontecerá de 16 a 30 de setembro, em parceria com o Centro Cultural Coreano no Brasil, reunindo sete longas-metragens produzidos em décadas diversas: “Bala Sem Rumo” (1961), de Yoo Hyun-mok; “O Caminho para Sampo” (1975), de Lee Man-hee; “Amora” (1985), de Lee Doo-yong; “Atrizes” (2009), de Lee Jae-yong; “Paju” (2009), de Park Chan-ok; “A Empregada” (2010), de Im Sang-soo; e “Canola” (2016), de Yoon Hong-seung.

O evento homenageia os 60 anos do grande clássico “Bala Sem Rumo”, de Yoo Hyun-mok (1925-2009), obra muitas vezes chamada de “o melhor filme sul-coreano já feito”. O filme teve enredo baseado no romance homônimo de Lee Beomseon e conta a história de um contador pressionado, seu irmão veterano de guerra e sua família disfuncional que lutam para se integrarem à sociedade coreana do pós-guerra.

Volta ao Mundo: Coreia do Sul
CANOLA (Canola)

Rodado em Seul, o filme tem imagens de paredes reais perfuradas por tiros, arame farpado e áreas bombardeadas da cidade, e o seu lançamento chegou a ser proibido pelo governo, por causa de sua “descrição pessimista” da vida pós-guerra na Coreia do Sul. Yu Hyun-mok, que estreou no cinema em 1956, foi um dos maiores mestres do cinema sul-coreano, e seu olhar intelectual sobre questões sociais e políticas o levaram a ter dificuldades tanto com produtores quanto com o governo militar do seu país durante os anos 1960 e 1970. Respeitosamente, os críticos coreanos costumavam comparar sua linguagem estética à dos diretores neorrealistas italianos, e os elogios ao seu estilo não poupavam termos como “modernista”, “expressionista” e “poético”.

Outro clássico presente no festival é “O Caminho para Sampo”, que teve roteiro adaptado do romance de Hwang Seok-young e é a obra final do diretor Lee Man-hee (1931–1975), lançada postumamente. A trama gira em torno de três desajustados: um jovem trabalhador da construção civil que se vê sem trabalho e sem lugar para morar durante o inverno rigoroso; um homem de meia-idade, que ganha a vida fazendo bicos com as habilidades que adquiriu na prisão; e uma “hostess” de um restaurante que roubou o patrão e fugiu. Os dois homens são pagos pelo dono do restaurante para capturar a jovem ladra, mas, ao encontrá-la, ela consegue persuadi-los a viajarem juntos.

Volta ao Mundo: Coreia do Sul
BALA SEM RUMO (Aimeless Bullet)

Depois de servir no exército de 1950 a 1955, inclusive lutando na Guerra da Coréia, Lee Man-hee trabalhou como assistente de direção para diversos cineastas de seu país, ganhando experiência na indústria cinematográfica, até estrear na direção, em 1961, com o filme “Caleidoscópio”, cuja cópia original se perdeu há muito tempo, não restando nenhuma outra, e tudo o que se sabe dele é que se tratava de um drama familiar.

Extremamente produtivo, até o ano de sua morte, Lee Man-hee havia feito mais de 50 filmes, cerca de três a quatro por ano, numa carreira que durou apenas 14 anos. Porém, durante a montagem de “O Caminho para Sampo”, Lee sofreu um desmaio, foi internado em um hospital e logo morreu. Segundo relato de Baek Kyeol, um roteirista, a saúde do diretor já estava debilitada quando ele assumiu o projeto, e talvez tivesse consciência de que não viveria o suficiente para ver a conclusão do filme.

Apresentado no 10º Festival Mundial de Cinema de Montreal, “Amora” é um drama de teor fortemente erótico, baseado na história clássica de mesmo nome de Na Do-hyang. An-hyeop, a personagem protagonista, é uma bela jovem, que mora em uma pequena vila na Coreia durante a ocupação japonesa. Seu marido é um jogador viajante que volta para casa por curtos períodos após meses fora, e, enquanto isso, ela ganha comida, dinheiro e outros bens colhendo folhas de amoreira para um vizinho que cria bichos-da-seda, e em troca de fazer sexo com quase todos os homens da aldeia.

O diretor Lee Doo-yong estreou no cinema em 1969, com o filme “The Lost Wedding Veil”, recebeu o Prêmio Dae-Jong, equivalente ao Oscar no cinema coreano em 1974, por “The General in Red”, e é tido como um dos dez mais importantes realizadores coreanos, com 60 filmes até hoje.

Volta ao Mundo: Coreia do Sul
A EMPREGADA (The housemaid)

Com sua incrível versatilidade, na década de 1970 ele se destacou como o mais representativo diretor de filmes de ação da Coreia ao inovar o gênero com um estilo próprio que diferenciava o cinema de ação coreano daquele produzido em Hong Kong na mesma época. Na década de 1980, ele voltou a chamar a atenção ao fazer filmes históricos populares que retratavam a vida oprimida das mulheres da dinastia Chosun com um toque de erotismo. Dessa fase, destaca-se “The Hut” (1980), que ganhou o Prêmio Especial do Júri no Festival de Cinema de Veneza, e “Spinning the Tales of Cruelty Towards Women”, exibido com ótimas críticas em muitos festivais, entre eles o de Cannes.

Com Kim Min-hee e Youn Yuh-Jung no elenco, “Atrizes”, do diretor Lee Jae-yong, também conhecido como E J-yong, é um divertido falso documentário com seis famosas atrizes sul-coreanas – cada uma representando a si mesma –, que se reúnem em um estúdio para uma sessão de fotos da revista Vogue Korea, mas o encontro das beldades, que não estão acostumadas a dividir os holofotes, resulta em uma disputa de egos e crises de estrelismo.

O filme foi feito sem roteiro, filmado cena a cena, com as atrizes improvisando suas performances de acordo com a situação, evitando criar algo fictício, e trazendo alguns pequenos confrontos da vida real, especialmente entre Go Hyun-Jung e Choi Ji-woo, com cada uma admitindo que sua relação no set era tensa, e uma confessando que sentia inveja da aparência da outra.

Volta ao Mundo: Coreia do Sul
O CAMINHO PARA SAMPO (The Road to Sampo)

Dirigido por Im Sang-soo, “A Empregada” é um remake de “Hanyo, a Empregada”, de 1960, grande clássico do cinema sul-coreano, do diretor Kim Ki-Young. A história é sobre o caso de um homem com uma empregada de sua família, um envolvimento que aos poucos vai se direcionando para consequências sombrias.

Jeon Do-yeon, que interpreta a empregada, ganhou o prêmio de Melhor Atriz no Festival de Cannes 2007 pelo filme “Sol Secreto”, de Lee Chang-dong. Com “A Empregada”, o diretor Im Sang-soo participou pela primeira vez da competição oficial do Festival de Cannes, em 2010, sendo convidado novamente em 2012, com o filme “The Taste of Money”.

“Paju”, da diretora Park Chan-ok, acompanha a perigosa obsessão de uma garota, tão perto do seu objeto de desejo, mas proibida de amar: ela é apaixonada pelo marido da própria irmã. O filme tem locações em Paju, uma pacata cidade que dá nome ao longa, situada ao norte de Seul e perto da fronteira com a Coreia do Norte. A figura masculina deste triângulo de paixões é representada por Lee Sun-kyun, ator que ficou mundialmente famoso ao interpretar o patriarca da família rica no filme “Parasita”.

A atriz Seo Woo, que vive a adolescente apaixonada pelo cunhado, é a mesma que é traída pelo marido com a babá na refilmagem de “A Empregada”. Antes de realizar “Ciúme é Meu Nome do Meio” (2002), seu primeiro longa-metragem, Park Chan-ok trabalhou como diretora assistente para cineastas compatriotas seus, entre eles Hong Sang-soo, no filme “A Virgem Desnudada Por Seus Celibatários” (2000).

“Canola”, de Yoon Hong-seung, conta a história de avó e neta que se reencontram doze anos após terem se perdido uma da outra em um mercado, mas as coisas já não são mais tão boas e perfeitas, como eram antes da traumática separação. No papel da avó está a consagrada Youn Yuh-Jung, que ganhou o Oscar 2021 de Melhor Atriz Coadjuvante, por “Minari: Em Busca da Felicidade”, passando a ser a primeira entre todos os atores e atrizes sul-coreanos a ganhar um Oscar até hoje.

A jovem atriz Kim Go-eun, que interpreta a neta, alcançou a fama instantaneamente com o filme “Eungyo”, em 2012, se tornando um ícone da juventude coreana. O realizador Yoon Hong-seung, que também usa o pseudônimo Chang, é ex-diretor de videoclipes que estreou na direção de longas-metragens com o filme de terror “Death Bell”, em 2008.

Volta ao Mundo: Coreia do Sul
PAJU (Paju)

O Festival “Volta ao Mundo: Coreia do Sul” reúne sete jóias de uma das cinematografias mais criativas, modernas e fascinantes do mundo, uma incrível volta pela cultura e pelos costumes deste País que sempre teve lugar especial no streaming dos melhores filmes: o seu À La Carte!

Sinopses

BALA SEM RUMO (Aimeless Bullet)

Coreia do Sul, 1961, p/b, 110 min., drama.

Direção: Yoo Hyun-mok

Elenco: Choi Mu-ryong, Kim Jin Kyu e Moon Jeong-suk.

Sinopse: Um contador pressionado, seu irmão veterano de guerra e sua família disfuncional lutam para se integrarem à sociedade coreana do pós-guerra.

O CAMINHO PARA SAMPO (The Road to Sampo)

Volta ao Mundo: Coreia do Sul
AMORA (Mulberry)

Coreia do Sul, 1975, cor, 95 min., drama.

Direção: Lee Man-hee

Elenco: Baek Il-seob, Kim Jin Kyu e Mun Suk.

Sinopse: O jovem trabalhador da construção civil Young-dal conhece um homem de meia-idade chamado Jeong, que está voltando para Sampo, sua cidade natal, depois de cumprir pena na prisão e vagar de um canteiro de obras para outro. Já se passaram dez anos desde que ele esteve em Sampo pela última vez. Em um restaurante, os dois conhecem Baek-hwa, uma hostess de bar em fuga, e os três começam sua jornada juntos. O homem mais jovem e a garota, que discutiam constantemente no início, logo se apegam um ao outro, e o trio viaja para a estação de trem, cada um relembrando seu passado enquanto caminham.

AMORA (Mulberry)

Coreia do Sul, 1985, cor, 114 min., drama.

Direção: Lee Doo-yong

Elenco: Lee Mi-sook, Lee Dae-kun e Lee Moo-jung

Sinopse: Sam bo é um jogador que vive sem se preocupar com a forma como sua esposa administrará sua casa sem que ele ganhe dinheiro. Para conseguir comida e provisões, sua esposa An-hyeob dorme com vários mercadores na aldeia. Um dos poucos homens com quem ela não dorme, um servo lascivo chamado Sam-dol, decide revelar suas atividades ao marido como vingança.

ATRIZES (Actresses)

Coreia do Sul, 2009, cor, 104 min., documentário/drama

Direção: Lee Jae-yong

Elenco: Kim Min-hee, Youn Yuh-Jung, Kim Ok-bin, Lee Mi-sook, Go Hyun-jung e Choi Ji-woo

Sinopse: Quando seis famosas atrizes sul-coreanas se reúnem para uma sessão de fotos da Vogue, seus egos de estrelas colidem, uma vez que estão acostumadas a serem o centro das atenções, e agora devem dividir os holofotes. O diretor Lee Je-yong disseca o mundo do entretenimento sul-coreano neste falso documentário, permitindo que atrizes reais representem versões fictícias de si mesmas.

PAJU (Paju)

Volta ao Mundo: Coreia do Sul
ATRIZES (Actresses)

Coreia do Sul, 2009, cor, 110 min., drama.

Direção: Park Chan-ok

Elenco: Lee Sun-kyun, Seo Woo

Sinopse: Choi Eun-mo, de 15 anos, se apaixona pelo futuro marido da sua irmã mais velha, um professor sete anos mais velho que ela. Um dia, sua irmã morre em um acidente e Eun-mo começa a viver com o cunhado viúvo. Mas a garota começa a desconfiar que seu amado pode estar envolvido na morte da irmã dela, sem imaginar que, na verdade, ele a está protegendo de algo ainda mais terrível.

A EMPREGADA (The housemaid)

Coreia do Sul, 2010, cor, 107 min., drama.

Direção: Im Sang-soo

Elenco: Jeon Do-yeon, Lee Jung-jae e Youn Yuh-Jung.

Sinopse: A jovem Lee Eun-yi é recrutada por uma governanta de aristocratas coreanos para trabalhar como babá e empregada. No luxuoso ambiente moram o executivo Hoon, sua esposa Hae-ra, que está grávida de gêmeos, e sua filha pequena, Nami. A moça é recebida respeitosamente e logo se adapta ao local. Até que um dia, quando viaja com a família para cuidar da filhinha do casal, o patrão resolve visitá-la em plena madrugada. Eles passam a manter um caso, que logo é descoberto pelas demais mulheres da casa.

CANOLA (Canola)

Coreia do Sul, 2016, cor, 117 min., drama.

Direção: Yoon Hong-seung

Elenco: Youn Yuh-Jung, Kim Go-eun, Kim Hee-won e Ryu Jun-Yeol.

Sinopse: Doze anos após terem se perdido uma da outra em um mercado, avó e neta se reencontram. Mas as coisas não são mais tão boas e perfeitas, como eram antes da traumática separação.

Serviço
Volta ao Mundo: Coreia do Sul
Data: 16 a 30 de setembro
Onde: Belas Artes À La Carte
Valor: Disponível para assinantes: R$ 9,90 (mensal) ou R$ 108,90 (anual)
Para assinar acesse: www.belasartesalacarte.com.br e clique em ASSINE.

Ou vá direto para a página de cadastro: https://www.belasartesalacarte.com.br/checkout/subscribe/signup

Aplicativos disponíveis para Android, Android TV, IPhone, Apple TV e Roku. Baixe Belas Artes À LA CARTE na Google Play ou App Store.

Planos de assinatura com acesso a todos os filmes do catálogo em 2 dispositivos simultaneamente.


LEIA TAMBÉM: Chame de Rurouni Kenshin, chame de Samurai X: Melhor live action já feito


Siga @Nerdrecomenda nas redes Sociais
Facebook Instragram Twitter

Um comentário

Deixe seu Comentário

%d blogueiros gostam disto: