Dez por Dez

Grande elenco estrela Dez por Dez no Teatro Unimed

Obra de Neil LaBute “Dez por Dez”, com dez atores em dez monólogos de dez minutos cada, retrata a complexidade da natureza humana epode ser vista, gratuitamente, no site do Teatro Unimed, a partir de 20 de maio

Adaptação feita pelos Irmãos Leme “Dez por Dez” é protagonizada por Angela Vieira, Bruno Mazzeo, Chandelly Braz, Denise Fraga,Eucir de Souza, Ícaro Silva, Johnny Massaro, Leopoldo Pacheco, Luisa Arraes e Pathy Dejesus.

Dez por Dez
Crédito: Fernando Sant’Ana

Dez atores interpretam diretamente para a câmera, em tempo real, sem cortes ou edições. Texto e trabalho de ator são os principais elementos da construção de cada personagem, sem truques, sem efeitos especiais, falando diretamente com o público. Assim é Dez por Dez, uma coleção de monólogos originais escritos pelo roteirista, cineasta e dramaturgo Neil LaBute (de filmes como Na Companhia de HomensEnfermeira Betty e Morte no Funeral), em uma versão brasileira dirigida pelos Irmãos Leme e realizada pela Dueto Produções, que estreia com acesso gratuito nesta quinta-feira, 20 de maio de 2021, no site do Teatro Unimed (www.teatrounimed.com.br). 

Dez por Dez
Crédito: Fernando Sant’Ana

Com adaptação dos Irmãos Leme – Guilherme Leme Garcia e Gustavo Leme -, às dez histórias de dez minutos cada reúnem um time de dez atores que dão vida a personagens homens e mulheres nas faixas dos 20, 30, 40, 50 e 60 anos de idade. O elenco brasileiro é formado por Angela Vieira e Leopoldo Pacheco (60 anos), Denise Fraga e Eucir de Souza (50 anos), Pathy Dejesus e Bruno Mazzeo (40 anos), Chandelly Braz e Ícaro Silva (30 anos) e Luisa Arraes e Johnny Massaro (20 anos). 

“Já nas primeiras leituras e ensaios, percebemos uma entrega total do elenco brasileiro, alguns até mesmo explorando novas personagens e oportunidades de atuação, com grande poder de identificação com o público”, observa Guilherme. 

A estética original foi totalmente mantida: planos sequência com câmera parada, em fotografia minimalista em preto e branco, onde o contraste, o foco, a diversidade de tons e a luz compõem todos os desenhos de imagem, lembrando o trabalho de fotógrafos como Henri Cartier-Bresson, Robert Doisneau, Peter Lindbergh e Sebastião Salgado, com os personagens em primeiro plano, em ambientes simples e, ao mesmo tempo, sofisticados. Assim, o trabalho foi realizado integralmente no icônico Edifício Santos-Augusta, em São Paulo, assinado por Isay Weinfeld, onde funcionam, além do Teatro Unimed, o Perseu Coffee House, o restaurante Casimiro e a sede de empresas, como a Way Model (todos estes espaços também serviram como locação).

Os lindos ambientes escolhidos para a filmagem permitem enquadramento, composição e profundidade de campo muito em sintonia com a fotografia original imaginada por LaBute. Além disso, o formato inovador de Dez por Dez, teatro com estética de cinema, está totalmente adequado às novas formas de consumo de produtos culturais de hoje em dia”, avalia Gustavo. 

LaBute escreveu Dez por Dez (Ten by Ten) como conteúdo exclusivo para o Audience Channel (DirecTV). Logo, a obra chamou a atenção de críticos, artistas e público por suas originalidade, pureza e força. Em março de 2020, em plena pandemia, a obra voltou a ser vista via Actor’s Studio (que, desde 2013, em sua unidade de St. Louis, Estados Unidos, tem homenageado LaBute com um festival anual de novos talentos do teatro). Ressaltando a importância do formato série com monólogos curtos e dinâmicos neste momento por que passa o mundo, LaBute declarou: 

“Enquanto todos nós esperamos em casa pelo vírus acalmar, eu decidi liberar essas histórias íntimas para a comunidade artística nacional como conteúdo para desfrutar e inspirar, enquanto coletivamente d escobrimos como navegar nas águas em constante mudança de hoje e voltar a criar novos materiais juntos e individualmente”. 

Dez por Dez
Crédito: Fernando Sant’Ana

Dono de texto ágil, engenhoso e sarcástico, LaBute busca, neste trabalho, retratar a complexidade da natureza humana, por meio de personagens que representam um retrato da sociedade atual, contando histórias, muitas vezes pessoais, sobre amor e luxúria. Tudo, claro, devidamente adaptado à realidade brasileira pela dupla criativa formada pelos irmãos Guilherme Leme Garcia (ator, diretor) e Gustavo Leme (cineasta e um dos principais diretores de filmes publicitários do Brasil). Guilherme já havia montado um dos sucessos de Neil LaBute (A Forma das Coisas) e sempre foi um entusiasta de sua obra. Gustavo logo se encantou pelo projeto Dez por Dez, com formato dinâmico, moderno e belo conteúdo dramatúrgico.

Assim, a dupla assumiu o desafio de transferir para a realidade bras ileira o cenário social da versão original, bem marcado pela cultura norte-americana, mantendo a estética e a sofisticação concebidas por LaBute, utilizando grandes atores brasileiros. O próprio elenco também fez algumas colaborações na versão brasileira. 

Dez por Dez - Nerd Recomenda
Crédito: Fernando Sant’Ana

Com personagens fortes e temas instigantes, Neil LaBute tem se firmado como um dos mais importantes e implacáveis dramaturgos contemporâneos, além de roteirista e diretor de cinema. Esta sua obra e este grande elenco abrem a programação 2021 do Teatro Unimed, dando continuidade ao projeto Teatro Unimed Em Casa, que estreou com grande sucesso em outubro de 2020, com Luis Miranda e o espetáculo Madame Sheila, visto por mais de 80 mil pessoas, em 40 países. 

“Como parte de um sistema de cooperativismo médico, nossa missão de cuidar das pessoas deve ir além. Trabalhamos para que nossos clientes possam viver da melhor forma possível, desfrutando também da arte, da cultura e do lazer. O Teatro Unimed foi uma das poucas casas de arte e cultura que se manteve ativa durante a pandemia, conservando empregos no setor, levando diversão e saúde mental à população, e mais: tornando a cultura mais acessível, disponibilizando conteúdos de forma online para todos. Esperamos que, em breve, mais pessoas tenham a oportunidade de conhecê-lo, admirar sua beleza, propósito e estrutura, além de prestigiar nossos artistas pessoalmente”, afirma Luiz Paulo Tostes Coimbra, presidente da Central Nacional Unimed

“Além de ser como um templo para a liberdade de expressão, um teatro deve servir para dar às pessoas mais acesso à cultura e ao entretenimento, com respeito à diversidade e ao ambiente que nos cerca. Isto é o que mais nos estimula a produzir o Teatro Unimed Em Casa”, declara Fernando Tchalian, CEO da desenvolvedora Reud, controladora do Teatro Unimed. 

Dez por Dez
Crédito: Fernando Sant’Ana

Com consciência e cuidado, a produção adotou uma série de rigorosas providências para as filmagens de Dez por Dez. Todos os profissionais envolvidos com as gravações foram submetidos a contínuos testes realizados pela rede de medicina diagnóstica Alta Excelência Diagnóstica, referência em tecnologia, inovação e qualidade médica, com foco no atendimento humanizado (www.altadiagnosticos.com.br), além do protocolo de praxe: higienização contínua de equipamentos, acessórios, pisos e ambientes, uso de máscara obrigatório generalizado, higienização periódica das mãos, amplo distanciamento social e desinfecção diária dos locais. 

Dez por Dez - Nerd Recomenda
Crédito: Fernando Sant’Ana

Assim como na versão norte-americana de 2020 e no espetáculo Madame Sheila, exibido no site do Teatro Unimed no ano passado, o projeto Dez por Dez também tem caráter beneficente. Paralelamente à exibição gratuita dos monólogos, o público é convidado a colaborar, através de doações ao Fundo Marlene Colé, em prol dos trabalhadores do teatro em situação de insegurança alimentar devido aos efeitos da pandemia. O Teatro Unimed se firma como um espaço efervescente de criação e ajuda humanitária. www.fundomarlenecole.com.br

Programação, elenco e sinopses (a cada semana, duas novas histórias exibidas) 

Quinta-feira, 20 de maio

#1 – Mulher de 60 anos: Angela Vieira – mulher conta sobre um momento do seu passado, em que viveu uma relação que se resumiu a único beijo e a marcou para o resto da sua vida. 

#2 – Homem de 20 anos: Johnny Massaro – garoto profundamente incomodado com a iminência da calvície vai revelando aos poucos um profundo amor por sua mãe, acreditando ser ela a única mulher que o aceitará careca. 

Quinta-feira, 27 de maio

#3 – Mulher de 50 anos: Denise Fraga – mulher relata uma sequência de eventos trágicos em sua vida e revela, explicitamente, o desejo pelo suicídio. No final, ela provoca o espectador, pedindo sua ajuda para fazê-la desistir desse desejo. 

#4 – Homem de 30 anos: Ícaro Silva – homem conta sobre uma viagem de avião, em que fica incomodado com sua vizinha de poltrona. Quando dorme durante o voo, sonha que eles vivem uma relação amorosa conflituosa e bizarra. 

Quinta-feira, 3 de junho

#5 – Mulher de 40 anos: Pathy Dejesus – mulher conta sobre seu casamento, em que era frequentemente espancada e abusada emocionalmente por seu marido. Ela foge de casa e acaba se relacionando com outra mulher, encontrando, assim, um novo casamento e, ao mesmo tempo, um esconderijo. 

#6 – Homem de 40 anos: Bruno Mazzeo – homem conta como o futebol faz parte fundamental de sua vida. Ele tem um filho que joga no time da escola e, acompanhando um de seus jogos, ele se envolve em uma séria briga com outro pai. Aos poucos, entendemos que ele já está morto enquanto relata a história. Bela reflexão sobre a violência nos esportes. 

Quinta-feira, 10 de junho

#7 – Mulher de 30 anos: Chandelly Braz – jovem fala sobre um acidente de trânsito em que uma amiga morreu enviando uma mensagem para o namorado. Aos poucos, revela que eles viviam um triângulo amoroso na época do acidente. 

#8 – Homem de 50 anos: Eucir de Souza – homem discorre sobre o orgulho de estar casado há 30 anos. Ele não se conforma com casais que se separam e famílias não-tradicionais. Aos poucos, revela-se um homofóbico radical. 

Quinta-feira, 17 de junho

#9 – Mulher de 20 anos: Luisa Arraes – menina traída pelo namorado passa a ter várias relações afetivas sem sentido, como forma de vingança. 

#10 – Homem de 60 anos: Leopoldo Pacheco – homem expõe seu incômodo e resistência a mudanças de hábitos e costumes na sociedade. Aos poucos, vai se revelando um racista conservador e intolerante com imigrantes.


Leia Também: “Missão Cupido” traz as primeiras cenas do filme pop estrelado por Isabella Santoni, Lucas Salles e Ágatha Moreira


Siga @Nerdrecomenda nas redes Sociais

Facebook Instragram Twitter

Um comentário

Deixe seu Comentário

%d blogueiros gostam disto: