Loucos Um Pelo Outro

Loucos Um Pelo Outro, loucos por um dorama

Duas pessoas, no fundo do poço, que encontram conforto uma na outra

Loucos Um Pelo Outro (ou “Mad For Each Other”) é um dorama bem curto que, a primeira vista, pode enganar pela premissa de comédia (até pelo próprio nome), mas que ao longo da história trata de temas delicados como tráfico de drogas e violência doméstica, mas não de forma leviana.

Os dois personagens principais frequentam a mesma clínica psiquiátrica e são vizinhos de apartamento, porém não se conheciam. No Whi-oh (Jung Woo) tem problemas de controle de raiva, desencadeado após uma investigação que deu errado, tendo sido afastado da polícia para tratar do problema. Lee Min-kyung (Oh Yeon-seo) sofre de TOC e síndrome de perseguição por conta de uma relação abusiva que teve no passado.

Loucos Um Pelo Outro
Divulgação

O primeiro “encontro” deles não poderia ser pior, de forma que ele passa a acreditar que a moça é louca e ela entra em pânico, pensando que ele a está perseguindo. Entre brigas e mal entendidos, ambos acabam achando um terreno neutro, onde constroem uma relação de confiança um pelo outro e, ao longo dos episódios você consegue perceber as mudanças positivas que a relação entre os dois vai trazendo para a vida deles. Claro, eles nunca deixaram de frequentar a psiquiatra também, importante dizer (até ela foi notando o progresso).

Atenção: Contém alguns spoilers sobre o passado dos personagens a partir daqui!

Sobre o passado dele

No Whi-oh é, na verdade, um detetive, parte da divisão de crimes violentos da polícia. Ele tinha uma vida razoável, estava noivo, mas acabou numa cilada dentro de uma investigação a um esquema gigantesco de drogas, envolvendo um traficante bem conhecido (claro que tem dedo corrupto aqui). 

Após um acidente envolvendo seu colega de trabalho, ele teve o primeiro “episódio” de raiva descontrolada, sendo afastado do cargo, além de sofrer um processo por danos morais e ver seu noivado ir pelo ralo, junto com sua carreira.

Loucos Um Pelo Outro
Divulgação

Sobre o passado dela

Lee Min-kyung também tinha uma carreira promissora, trabalhando num escritório e sendo invejada por sua beleza. Tudo perfeito, até que foi enganada por seu namorado que, na verdade, era casado. 

Quando descobriu a verdade, tentou terminar tudo e se afastar, mas o cara ficou agressivo, a ameaçando com vídeos pessoais. Para piorar, a fofoca correu solta na empresa dela, de forma que ela saiu do trabalho e até se mudou, para não ser mais encontrada. 

Agora corre um processo na justiça para punir o cara pelas agressões, principalmente físicas, mas a “outra parte” está fazendo de tudo para que ela concorde com um acordo. Ela só quer que ele apodreça na cadeia mesmo (e com razão), porém muitos acabam julgando que ela só quer pegar mais dinheiro dele.

Como nem tudo são flores, é claro que esse embuste vai voltar para assombrar ela, senão porque teríamos esse plot no dorama. Além de nos trazer uma recaída em todo o progresso psicológico construído.

“Pessoas que são realmente felizes não provocam nem machucam os outros. Quando se é feliz de verdade, não precisa condenar e magoar os outros de propósito só para ficar com a mente tranquila.”

Vou abrir aqui um parágrafo para exaltar a representatividade que é difícil ver em doramas. Aqui tivemos um personagem crossdresser. Lee Sang-yeob (An Woo-yeon) é um rapaz que gosta de se vestir de mulher, adotando o nome de Samantha. 

Num primeiro momento as senhoras futriqueiras do prédio acham um absurdo e querem até chamar a polícia (oi?). Felizmente nosso detetive é um cara mente aberta e ele até faz amizade com o rapaz, sem nunca ter a necessidade de perguntar a orientação sexual do Sang-yeob, até porque, o que isso mudaria na vida dele?

Tragam Oscar para esse casal de atores porque se tem uma coisa que eles entregaram de bandeja foi interpretação. As frustrações deles eram a minhas frustrações, fora tantas emoções misturadas e tem uma cena de perseguição ali que, rapaz… E o mais interessante é que, como só tem 13 episódios, a história ficou bem enxuta e sem se arrastar, mas também sem deixar pontas soltas, o roteiro está bem fechadinho.

Loucos um pelo outro está disponível no catálogo da Netflix, inclusive com dublagem e português.

Trailer (legendado em inglês):

Por: Letícia Vargas


LEIA TAMBÉM: Resenha: “Olá? Sou eu”


Siga @Nerdrecomenda nas redes Sociais

Facebook Instragram Twitter

Um comentário

Deixe seu Comentário

%d blogueiros gostam disto: