Magnatas do Crime

“Magnatas do Crime” | Entenda porque você precisa ver esse filme com Matthew McConaughey

De tudo o que se pode esperar, Matthew McConaughey como dono de um império de maconha era o que eu não esperava ver. Fui surpreendida por esse talento incrível no longa “Magnatas do Crime”.

 

Magnatas do Crime

Em uma cabine virtual conferi o filme e não posso dizer menos: surpreendentemente instigante e cheio de suspense.

No filme, Matthew dá vida ao talentoso graduado em Oxford, Mickey Pearson que se utiliza de habilidades únicas, audácia e prospecção à violência, cria um império de maconha usando as propriedades dos aristocratas ingleses menos favorecidos. No entanto, ao tentar vender seu negócio a um colega bilionário, uma cadeia de eventos se desenrolam, envolvendo desde chantagens e decepções até o caos e muitos assassinatos entre bandidos de rua, oligarcas russos, gângsteres e jornalistas.

A forma como o diretor Guy Ritchie constrói a narrativa de “Magnatas do Crime” é bem estruturada e muito parecida com longas já dirigidos por ele – “Agentes da U.N.C.L.E.”, “Sherlock Homes” ou “Jogos, Trapaças e Dois Canos Fumegantes”- e a relação entre o roteiro e o que vemos na tela é bem mais transparente, nos deixando claro o método como o diretor trabalha. Ritchie deixa transparecer sua assinatura de forma clara em “Magnatas do Crime”, envolvendo tanto o roteiro como as imagens que assistimos pós-produção.

magnatas do crime - Nerd Recomenda

O ritmo que nos é colocado – pelo próprio diretor – no filme é interligado ao roteiro, seja de forma direta ou indiretamente. No longa “Magnatas do Crime” é muito utilizada a linguagem metalinguística, onde Fletcher (Hugh Grant), através de um roteiro escrito por ele mesmo, conta para seu amigo Ray (Charlie Hunnam) – personagem que pacientemente se torna um belo espectador –, que se o público não prestar muita atenção, pode facilmente se perder e não será nada fácil manter a concentração.

magnatas do crime - Nerd Recomenda

A confusão aparente é tão bem planejada que a cada passo do filme vai ficando cada vez mais claro as possibilidades e para onde o diretor está querendo nos direcionar. Nestas orientações confusas que nos são dadas, acabam que no decorrer da história de Fletcher, a realidade dos personagens se misturam até chegar ao ponto em que não conseguimos mais separar uma da outra.

No decorrer dos relatos vamos sendo cada vez mais instigados a consumir os personagens, seja por seus figurinos – desde os acessórios até as vestimentas – até a aparência física, pelo modo como penteiam seus cabelos ou ajeitam sua barba. Mesmo parecendo ser um personagem simples, a complexidade que Michael Pearson (McConaughey) transparece muita calmaria interior para quem precede de uma explosão de atitudes e sempre muito exposta pelo próprio olhar.

Em todo o longa temos a sensação de que quem está no controle de todo o filme é o personagem Fletcher, mas quando tudo parecer de seu próprio domínio, somos surpreendidos com um personagem que se torna apenas um tagarela e que sua harmonia com o longa é para dar o pedestal que Matthew McConaughey merece.

Todos estes filmes estão sendo lançados sob demanda (em vez de cinemas)

“Magnatas do Crime” se torna nas mãos de Ritchie uma linda comédia inglesa, repleta de vida e acidez. Se você, assim como eu, não espera(va) nada deste filme, pode se desfazer desta ideia e preparar aquela pipoca, uma bebida de sua preferência e um lugar confortável, pois vai se surpreender com esse longa.

Leia Também: “Gangs of London” – Starzplay anuncia data de estreia da série policial

Siga @Nerdrecomenda nas redes Sociais

Facebook | Twitter | Instagram

Um comentário

Deixe seu Comentário

%d blogueiros gostam disto: