Meu Pai

Meu Pai- um drama de uma dor desconhecida

O filme ‘Meu Pai’ leva seus telespectadores ao ápice da emoção com uma majestosa simplicidade

Meu Pai é um drama emocionalmente impactante sobre como viver com demência, mas transcende as conotações do gênero ao retratar o transtorno em uma perspectiva alegórica e fascinante junto a um ponto de vista ligando o diretamente o telespectador. Assim, equilibra angústia e tristeza com humor e farsa, uma tragicomédia que poderia ter agraciado o mais sagrado dos palcos.

Na realidade, sim. O dramaturgo francês Zeller adaptou O Pai de sua produção teatral. É a estreia de Zeller na direção do filme, trabalhando em colaboração com Hampton, que traduziu a peça, La Pere , para o inglês. A transição do palco para a tela serviu bem ao Pai. Zeller mantém o dinamismo das batidas emocionais e psicológicas, enquanto a edição eficaz de Yorgos Lamprino mergulha o público na mente fragmentada de seu personagem-título.

Meu Pai - filme
Créditos: California Filmes

O filme se passa principalmente em um grande apartamento com quartos intermináveis ​​e portas que não se abrem para o que deveriam, Anthony (Anthony Hopkins) tenta afirmar uma posição final contra o esquecimento, mesmo enquanto sua filha Anne (Olivia Colman) luta para lidar com sua condição.

Anne está tentando persuadir Anthony a aceitar um novo cuidador. Anthony enxotou um atendente anterior com a beligerância típica do paciente idoso recém-formado que não consegue aceitar o que está acontecendo com ele.

Anthony também está angustiado porque Anne está planejando se mudar para Paris e deixá-lo em uma instituição. Conforme o filme de 97 minutos se desenrola, fica cada vez mais difícil distinguir entre o que Anthony está imaginando e o que está acontecendo com ele (e quando). Imogen Poots interpreta três personagens diferentes, enquanto a própria Anne parece mudar sua história de vez em quando.

Meu Pai brinca com a perspectiva do público ao nos colocar no mundo mutante de Antônio, nos jogando por uma curva toda vez que Antônio está confuso ou paranoico.

O uso repetido de planos gerais e a edição de Yorgos Lamprinos ressaltam a distância crescente entre a realidade de Anthony e sua compreensão dela. Evitando sequências de sonho e retratando as fantasias de Anthony de uma maneira realista, Zeller narra o estado precário de Anthony de maneiras terrivelmente honestas.

Meu Pai
Créditos: California Filmes

O desempenho comovente de Anthony Hopkins lhe valeu um dos maiores prêmios da indústria cinematográfica: Oscar na categoria de Melhor Ator. O elenco de apoio, especialmente Olivia Colman, também foi um grande destaque na corrida das premiações. Mas Meu Pai pertence ao ator veterano e ao diretor estreante, que foi além do clichê e do sentimentalismo para revelar a verdadeira natureza de se envelhecer.

Meu Pai pode capturar a experiência de sofrimento, a dor quase insuportável de ver alguém que você ama perder mais de si mesmo, porém, muito parecido com os desafios da vida, você sai do outro lado transformado.

Texto produzido por Daniel Meireles


Leia Também: DRUK – MAIS UMA RODADA é o vencedor do Oscar de Melhor Filme Internacional

Siga @Nerdrecomenda nas redes Sociais

Facebook Instragram Twitter

Deixe seu Comentário

%d blogueiros gostam disto: