O Mito de Sísifo

O Mito de Sísifo e o resgate do futuro

Em um ambiente pós-guerra, lutando para sobreviver… Se você tivesse a chance de voltar no tempo, o que mudaria?

O Mito de Sísifo (ou The Myth) é um dorama de ficção científica, cheio de ação e momentos para fazer o telespectador quebrar a cabeça com a trama de viagem temporal/mudar o passado para salvar o futuro.

Hang Tae-sul (Cho Seung-woo) é um homem genial, fundador de uma das maiores empresas de tecnologia da Coréia do Sul e, à primeira vista, parece ter tudo. Mas o cara sofre a anos com a culpa pela morte do irmão mais velho, vivendo a base de remédios para controlar as alucinações que tem com o irmão.

Após passar por uma série de acontecimentos que quase lhe custaram a vida, Tae-sul é salvo por uma mulher misteriosa que alega que ele está sendo perseguido por pessoas que o querem morto e é ela quem irá salvá-lo. Essa mulher é Kang Seo-hae (Park Shin-hye), que veio do futuro para salvar a vida de Tae-sul e impedir a guerra que acontecerá dali alguns meses.

O Mito de Sísifo

No início ele não acredita em nada, viagem no tempo é impensável, porém descobrimos que será exatamente ele quem desenvolverá o programa da máquina do tempo, chamada “Uploader”. Aceitando ser possível esse tipo de viagem, ele percebe que tudo que seu irmão sempre lhe dizia era verdade, e não apenas conversa de alcoólatra. Mais para frente até descobrimos que a morte do irmão não foi um acidente.

Claro que não foi tudo tão rápido assim, estou apenas resumindo os fatos. Vários novos personagens vão aparecendo, a Seo-hae quase morre várias e vezes até encontrar o Tae-sul. O próprio também arrisca a vida para descobrir mais sobre o que seu irmão tentava lhe falar na época, coisa que ele ignorava.

Mas quem está atrás dele? Porque acontece a guerra?

Tae-sul está sendo procurado pela Agência, uma equipe especializada para lidar com pessoas que vem do futuro (imigrantes ilegais, como eles gostam de falar). Lidar, logicamente não de uma forma muito gentil e, como é uma equipe secreta, todos que se envolvem com esses imigrantes precisam “desaparecer”.

O número de pessoas que tenta voltar no tempo é grande porque muitos tem arrependimentos e voltam ao passado para tentar consertar seus erros, ainda que não possam se encontrar consigo mesmo.

O Mito de Sísifo

Além da Agência, temos Sigma, principal alvo de Seo-hae, responsável por começar a guerra, mas do qual ninguém conhece o verdadeiro nome ou aparência. A guerra em si, é mais uma dizimação da população coreana do que uma guerra, já que o país foi o único atingido pelos mísseis e, posteriormente, pela bomba atômica que terminou o serviço. A própria Seo-hae e o pai só sobreviveram porque conseguiram se proteger num abrigo antibombas, onde permaneceram por 9 anos.

Talvez estejam pensando: “mas se a guerra começa por causa desse uploader, se o cara nunca construir ele ou se matarmos o cara, então acaba o problema”. Seria o caso, mas Seo-hae voltou no tempo precisamente para parar a guerra sem ter que sacrificar o Tae-sul. Já o protagonista não vai desistir de construir o uploader, porque sem ele, não conseguirá salvar o irmão e Seo-hae nunca teria voltado no tempo (aqui já estamos adentrando o terreno romântico, fato).

Existem vários momentos ao longo dos episódios, onde os personagens são praticamente forçados a fazer escolhas entre o que é de interesse pessoal ou coletivo. Na maioria das vezes, eles sempre acabam escolhendo salvar sua família, seus entes queridos, ao invés do mundo todo. Isso é bastante mencionado na trama, principalmente por Sigma.

Para os curiosos, o nome do dorama não foi dado aleatoriamente, ele é inspirado no mito grego, onde um homem chamado Sísifo despertou a ira de Zeus por sua inteligência, condenado a morte. Porém, o cara conseguiu enganar a própria morte (Tânato, no caso).

No final, ele acabou morrendo de velhice mesmo, mas não escapou da punição. Foi enviado ao Tártaro e condenado a, por toda a eternidade, rolar uma grande pedra de mármore até o alto uma montanha, sendo que toda vez que ele estava quase alcançando o topo, a pedra rolava novamente montanha abaixo. Vai lá Sísifo, começar o trabalho todo de novo.

Agora você tem o background, fica aí a deixa para ver onde ela encaixa no dorama. Quem seria Sísifo (Tae-sul, talvez)? O que sempre se repete, não importa o quanto eles tentem mudar (o futuro pós-guerra)?

O Mito de Sísifo possui 16 episódios e está disponível na Netflix. Porém, é fato que é às vezes possível sentir que a história se arrasta um pouco ou algumas situações se tornam repetitivas, não sei se não teria sido melhor enxugar o dorama em uma quantidade menor de episódios. Tanto que esse é um dorama que eu mesma não maratonei, fui assistindo picado porque às vezes ficava um pouco cansativo. Mas no todo, não foi uma experiência ruim (esse julgamento pode ou não estar um pouco afetado pelo meu favoritismo pela atriz principal, cuidado).

Trailer legendado em inglês:

Por: Letícia Vargas


LEIA TAMBÉM: Loucos Um Pelo Outro, loucos por um dorama


Siga @Nerdrecomenda nas redes Sociais

Facebook Instragram Twitter

Deixe seu Comentário

%d blogueiros gostam disto: