Yu-Gi-Oh - Nerd Recomenda

Você se lembra de Yu-Gi-Oh?

De anime a cartas para brincar de bafo, de certo Yu-Gi-Oh marcou muita gente.

Mesmo que não conheça, eu aposto que você no mínimo já ouviu falar desse joguinho de cartas que marcou a infância de muitas crianças no início do século não somente por passar na hoje extinta Tv Globinho como também por sua polêmica fama de jogo do diabo. Relembrar é viver, venha dar uma olhada na nostalgia de Yu-Gi-Oh.

Yu-Gi-Oh

Criado a partir do manga de mesmo nome do autor Kazuki Takahashi e distribuído pela Konami Holdings Corporation. Um dos jogos de cartas mais adaptados para outras mídias, já contando com sete animes, três filmes e diversos jogos digitais, Yu-Gi-Oh foi transmitido primeiramente no Brasil pela rede Globo e nessa época se popularizou muito entre as crianças graças as cartinhas que eram vendidas nas bancas e as cenas impressionantes com monstros incríveis.

Na época de sua transmissão, Yu-Gi-Oh passava pela sua primeira temporada, provavelmente a mais conhecida: Reino dos duelistas onde o protagonista Yugi e seus amigos vão atrás do criador do jogo Pégasus (isso dentro da história do anime/manga) para libertar a alma de seu avo, que foi capturada pelo vilão.

Além do reino dos duelistas, a principal passagem de Yu-Gi-Oh pelas telas foi a primeira temporada de Yu-Gi-Oh GX, que seria o equivalente a um “Yu-GI-Oh 2” e também dublado nos mostrou a história de Jaden (no original Yudai, todos os protagonistas de Yu-Gi-Oh começam o nome com Yu e terminam com Oh) na academia de duelos fundada por Seto Kaiba, rival de Yugi.

Para além das diversas mídias, Yu-Gi-Oh é essencialmente um jogo de cartas, divido em OCG (Oficial Card Game, o original em japonês) e TCG (Trading Card Game, a variante ocidental) que possuem algumas diferenças, porém se desenvolvem muito similarmente. O jogo já está bem maior e mais complexo do que se passou nas TV brasileira na época.

As regras básicas que se aplicam até mesmo nas versões passadas na Globo são: cada jogador tem um campo com espaço para cinco monstros, cinco magica/armadilhas e 1 magica de campo. Do lado esquerdo do campo fica seu baralho extra e a zona de magica de campo, e do lado direita fica o baralho principal e o cemitério. Até aí tudo normal, muitos dos que viram o primeiro anime podem se lembrar desse tapete de duelo padrão.

Yu-Gi-Oh - Nerd Recomenda

A primeira grande diferença entre o Yu-Gi-Oh clássico de nossas infâncias e o jogo atual é os novos tipos de invocação; antes contávamos somente com fusões, a clássica união de dois monstros para formar um mais forte e ritual, onde monstros eram sacrificados através de uma magica para invocar uma criatura mais forte. Agora temos invocações Synchro, Xyz, Pendulo e Link, e o que esses nomes estranhos mudam no jogo? Muita coisa.

Yu-Gi-Oh - Nerd Recomenda
A variedade de monstros agora no baralho extra é vasta

Além dos novos tipos de monstros, também temos uma nova zona de monstros que são exclusivas para invocações do batalha extra. Com elas vieram monstros Link, a última invocação nova lançada. A cada lançamento de uma nova mecânica o jogo sofre uma grande renovação em seu cenário competitivo, e atualmente o jogo está tão rápido e complexo que é difícil entender tudo que acontece no campo.

Também acompanhando cada nova grande mudança no jogo, vem uma nova temporada do anime que nos fez conhece-lo. Para quem já gosta de assistir animes, fica um jeito fácil e divertido de entender como o jogo veem funcionando. Também existe o jogo mobile Yu-Gi-Oh Duel Links que é perfeito para iniciantes que queiram experimentar um pouco o jogo de cartas, com muitas cartas, eventos e tutoriais, além da melhor parte: gratuito.

By: Maurício Pedro


Leia Também: Warner Channel exibe o final da 7ª temporada de ‘Mom’

Siga @Nerdrecomenda nas redes Sociais

Facebook | Twitter | Instagram

4 Comentários

Deixe seu Comentário

%d blogueiros gostam disto: