Angel Beats!

Angel Beats! A primeira impressão não é a que fica

Anime que te pega pela comédia e te destrói pela seriedade da história

A história de Angel Beats! se passa numa escola que está no limbo, literalmente. Os estudantes são pessoas que já morreram e estão presos lá porque viveram coisas insanas ou tem boletos não pagos e precisam aceitar/resolver isso pra seguir em frente e renascer. Com direito a risos e lágrimas, tá aí um bom anime pra ver…

Angel Beats!
Só um exemplo do que te espera…

Entra em ação nosso protagonista, Otonashi Yuzuru, um jovem que morreu e esqueceu disso (que conveniente), e acabou nessa escola estranha, com gente esquisita. Lá ele conhece uma das “líderes” do lugar, a Nakamura Yuri, e acaba envolvido com seu grupo, o “Frente de batalha pós vida”, numa luta contra Deus (sim, ele mesmo). O maior inimigo deles nessa jornada é Tachibana Kanade, a presidente do conselho estudantil que é má interpretada pela galera e acaba lutando contra eles para manter a ordem (mas no fundo ela só quer ajudar o povo a resolver suas pendências e renascer).

O começo do anime é bem engraçado, cada personagem tem suas peculiaridades, talvez um pouco clichês, mas que não desapontam. Pra ter uma noção, como estão presos nesse tal limbo, caso morram eles voltam à vida, sem problemas (essas cenas rendem as melhores risadas). Todavia, à medida em que vamos descobrindo os segredos do lugar, e os personagens vão resolvendo seus assuntos pendentes, eles começam a partir daquele plano, um a um. Para cada alma que segue seu caminho, o anime nos mostra seu passado, que não tem nada de flores ou arco-íris.

Angel Beats!

Angel Beats! possui 13 episódios e duas ovas (disponível na Netflix e Crunchyroll), e foi produzido pelos estúdios P.A Works (outros trabalhos incluem Another e Nagi no Asukara). O sucesso gerou adaptações para light novels, mangá e vídeo game.

Não dá para terminar a resenha sem mencionar a abertura e encerramento que são lindas. O tema de abertura é “My Soul, Your Beats!’, por Lia, já encerramento é “Brave Song”, por Aoi Tada. Detalhe para o encerramento, ao longo dos episódios a imagem de fundo vai mudando, de acordo com o que vai acontecendo na história (vou parar por aqui para evitar spoilers).

Então, se você é daqueles que chora com facilidade, já prepara o coração e aquele rolo de papel higiênico (lenço de papel é luxo), e só vem de Angel Beats! com a gente.

LEIA TAMBÉM: A riqueza da série sul-africana Queen Sono

Siga @Nerdrecomenda nas redes Sociais

Facebook | Twitter | Instagram

Deixe seu Comentário

%d blogueiros gostam disto: