Sweet Tooth

Sweet Tooth: O fim do mundo com um toque de fantasia

A adaptação de Robert Downey Jr e Susan Downey da história em quadrinhos combina terror pós-apocalíptico com doçura de conto de fadas
Sweet Tooth
SWEET TOOTH. Netflix

Sweet Tooth segue um menino chamado Gus, um híbrido meio cervo meio humano interpretado por Christian Convery , enquanto ele cresce e começa uma aventura de mudança de vida com um amigo improvável em um mundo devastado por uma praga mortal. É uma ideia um pouco difícil de entender, mas acredite em mim quando digo que esse programa é quase perfeito em como aborda tudo.

Desde o episódio piloto, somos apresentados a este mundo alternativo perfeitamente através dos olhos de Gus enquanto ele cresce de uma criança a um menino na selva de Yellowstone com seu pai, Pubba, interpretado por Will Forte. Nunca mais questionarei nada que Will Forte faça depois disso. Seu desempenho é poderoso para dizer o mínimo.

A aventura começa nos momentos finais desse primeiro episódio com a introdução de Big Man / Tommy Jepperd, interpretado por Nonso Anozie . O vínculo entre Gus e Jepperd é a força motriz de todo o show. Como padrasto, adorei sua dinâmica e aproveitei cada segundo observando o desenvolvimento de seu relacionamento. O que começa como uma leve irritação com Gus (Sweet Tooth) em simplesmente querer seguir em frente rapidamente evolui para mais quando Jepperd vê do que Gus é capaz. Isso leva a um clímax fantástico no final, que realmente me deixa em lágrimas. 

Sweet Tooth
SWEET TOOTH. Netflix

Há alguns personagens secundários intrigantes de  Sweet Tooth também. Desde o Dr. Aditya Singh (Adeel Ahktar), que aparentemente descobre o Sick e as crianças híbridas, até o Bear (Stefania LaVie Owen), a líder órfã de uma força de defesa pró-híbrida, todos são interessantes e contribuem para o mundo do show. Não há nada aqui que não acrescente algo ao produto geral para torná-lo melhor. 

O vilão da história, General Abbott, interpretado por Neil Sandilands, é ridículo e eu adoro isso. Desde seus primeiros momentos na tela, ele tem um enorme quê de John Malkovich com a energia de Humma Kavula, e não consigo pensar em nenhuma outra maneira da qual teria gostado mais. 

Eu nem percebi a princípio que o tinha visto como outro vilão famoso da DC, o Pensador, no Flash da CW . Ele é uma pessoa completamente diferente e consegue mostrar muito mais de suas habilidades de atuação. Ele é exagerado e bombástico em todas as melhores maneiras. Reconheço que ele não é o vilão mais interessante que já vi, mas realmente não precisava ser. Porque ele foi o que precisava neste momento, e o show o posiciona perfeitamente para ser um perigo muito mais presente na segunda temporada. Eu realmente mal posso esperar. 

Efeitos e adereços

Sweet Tooth definitivamente tem uma quantidade saudável de efeitos práticos e maquiagem usados ​​em todo o processo. Por exemplo, fiquei postivamente surpreso ao ver que um dos personagens híbridos significativamente mais parecidos com animais era um fantoche. Havia algo fisicamente lá para a jovem atriz Naledi Murray, Wendy / Pigtail, reagir e isso transparece. 

Todas as crianças híbridas, exceto talvez o menino camaleão, foram feitas com maquiagem prática e próteses. Ver as orelhas de veado de Gus se mexerem e se contorcerem enquanto ele reage às coisas foi fenomenal. Todos os pequenos toques e atenção aos detalhes realmente ajudam a legitimar o mundo e a história que está sendo contada. Não é nada menos que maravilhoso.

A última palavra

Inicie o Netflix e reserve algum tempo para assistir Sweet Tooth. É incrivelmente cativante, comovente, perspicaz, criativo, divertido, comovente e todos os adjetivos para dizer maravilhosos. Eu assisti a coisa toda pelo menos duas vezes antes de escrever esta resenha e gostei muito de cada vez. 

*Texto por Daniel Meireles


Leia Também: Viúva Negra – A história entre as histórias | Disney+

Siga @Nerdrecomenda nas redes Sociais

Facebook Instagram Twitter

 

Um comentário

Deixe seu Comentário

%d blogueiros gostam disto: