belle

“Belle”, o novo filme de Mamoru Hosoda, mistura música e tecnologia para emocionar ao melhor estilo do diretor

Sempre charmosos, Belle entra para a lista de filmes dirigidos por Hosoda que cativam com seus enredos emocionais e protagonistas cheias de atitude

Dia 27 de janeiro chega para o resto do mundo o mais novo filme dirigido por Mamoru Hosoda, em parceria com o estúdio Chizu: Belle, ou Ryū to Sobakasu no Hime (o dragão e a princesa com sardas) no título original em japonês.

A expectativa para o próximo filme do diretor, conhecido por incríveis trabalhos como The Girl Who Leapt Through Time (2006), Wolf Children (2012) e The Boy and the Beast (2015), era de que, mais uma vez, Hosoda nos apresentasse uma história com personagens multifacetados e com cenários que, quase como numa obra surrealista, misturem a fantasia aos sentimentos dos personagens em cena.

Belle, por mais que não seja uma obra tão incrível quanto alguns dos trabalhos mais famosos do diretor, com seus fascinantes efeitos visuais e enredo que equilibra a apresentação de um mundo digital e os conflitos da protagonista, entrega uma experiência delicada e emocional, do jeitinho que os fãs de Hosoda gostam.

Para conhecer mais produções do diretor, não deixe de conferir: Mamoru Hosoda: 5 grandes produções.

Desta vez a protagonista é a Suzu, uma garota que perdeu a mãe ainda muito jovem, quando, em uma tentativa heroica de salvar a vida de uma garotinha de se afogar, acaba sendo ela mesma vítima do acidente. Após a perda da mãe, Suzu se distancia do contato próximo com seu pai e amigos, e também cria um bloqueio para cantar, uma paixão que dividia com sua falecida mãe.

O segredo de Suzu, no entanto, é que fora do mundo real, num universo virtual chamado “U”, ela é Belle, a cantora mais popular do momento! Protegida de si mesma e dos olhares externos, Suzu consegue cantar e ser uma versão “melhorada” de si mesma no U, mas tudo muda no momento em que Ryuu, uma criatura em forma de dragão procurada pelas autoridades mais poderosas de U invade seu show e ela sente uma misteriosa conexão com a Fera.

Belle é uma versão moderna e high tech do conto francês A Bela e a Fera, desta vez numa versão não tão focada na relação entre essas duas figuras principais, mas sim em como esse encontro puxa a nossa “Bela” em direção a encarar seus medos.

A jornada de Suzu tentando desvendar a identidade da Fera é recheada de descobrimento próprio e interações com secundários que adicionam várias novas camadas de complexidade à personagem. A forma como todas essas relações culminam num espetáculo de música e luzes no terceiro ato é delicado e emocionante a ponto de fazer cair aquelas lagrimazinhas sorrateiras dos olhos do público. A relação dela com o pai então! Meu pobre coração com fraco para histórias familiares foi devidamente tocado com as poucas porém lindas cenas entre os dois.

Agora, sobre o romance que algumas pessoas possam estar esperando, por ser uma uma obra baseada em A Bela e a Fera… entendo aqueles que saírem achando que ficou faltando, porém, me posiciono aqui como defensora do roteiro, que acredito ter respeitado o momento emocional de cada personagem e tomado a melhor decisão.

>>quase-spoiler à frente<<

Se tem uma crítica que eu posso levantar, no entanto, é a identidade da Fera… Durante todo o filme, o mistério sobre quem é a pessoa por trás da figura amedrontadora do Dragão é um dos pontos mais instigantes da trama.

Embora eu tenha ficado aliviada pelo plot não ter tomado rumos óbvios e tornado esta apenas mais uma história de romance, ao mesmo tempo, fiquei chateada por não ter existido uma preparação melhor do roteiro para que os espectadores pudessem ter a chance de acertar a identidade do monstro, ou, pelo menos, tivessem aquele sentimento de “nossa, estava na minha cara o tempo todo e eu não vi!”. Pois é, esse sentimento não existiu, já que, do modo como foi feito, um novo subplot precisou ser adicionado no terceiro ato para acertar as pontas soltas e a história fazer sentido como um todo.

>>fim do quase-spoiler<<

Apesar dos pesares, fui 100% cativada pela animação, chorei quando tinha que chorar, me apeguei pela Fera, e sim, deixarei U, a música tema do filme, tocando no repeat por um tempo na minha playlist.

A trilha sonora completa do filme, incluindo as canções da Belle, você encontra aqui em baixo!

Texto por: Larissa Diniz (@kitsune.literaria)


LEIA TAMBÉM: Vivy: Fluorite Eye’s Song – Corrigindo o passado, salvando o futuro


Siga @Nerdrecomenda nas redes Sociais

Facebook | Twitter | Instagram

Um comentário

Deixe seu Comentário