jade fire gold

Jade Fire Gold – parece ser um livro bom… pena que não é

Magia, espadas e um reino a ser salvo, estes são elementos que você vai encontrar em Jade Fire Gold, embora eu não possa garantir que sejam bem entregues

jade fire gold
Capa internacional do livro Jade Fire Gold, da autora June CL Tan

Ahn está presa em uma vida de medo. Medo por não saber de onde vem. Medo por saber que guarda dentro de si uma magia proibida, e de que pode ser descoberta a qualquer minuto.

Altan é o verdadeiro herdeiro do trono, cujo futuro foi roubado quando ainda era criança, e hoje tudo o que quer é a vingança sobre aqueles que lhe tiraram tudo.

Quando seus caminhos se encontram, Altan vê em Ahn a chance de conseguir sua vingança, e Ahn, uma chance de decidir por contra própria quem é de verdade.

Jade Fire Gold (Jade, Fogo e Ouro) é um stand-alone da autora June CL Tan, nascida em Singapura e hoje residente nos Estados Unidos. O enredo e magia do universo foram inspirados no estilos Wuxia e Xianxia, típicas histórias asiáticas com artes marciais e guerreiros imortais.


Vamos começar com os pontos positivos, porque quando os negativos começarem…

Jade Fire Gold é o livro de estréia da autora June CL Tan, e sabendo disso é muito importante apontar o quanto a narrativa dela é gostosa de ler, mesmo sendo apenas seu primeiro livro. A escrita é bem feita, sem floreios demais nem de menos, bem do jeito que combina com a história.

Além disso, é preciso parabenizar a autora por ter conseguido publicar um livro tão fortemente inspirado na mitologia de seu país de origem, com um elenco 100% oriental, sendo uma autora de origem asiática. Sabemos muito bem que não é fácil ser um autor não branco e conseguir publicar pelos meios tradicionais. Por tudo isso, CL Tan está de parabéns, e espero que a gente veja muito mais dela no futuro!

E também, a arte de divulgação dos personagens é da hora, não é? Olha ela aqui em baixo!

jade fire gold
Personagens de Jade Fire Gold (arte por @jayessart)

Infelizmente, a parte boa termina por aí…

Apesar de uma proposta interessante, e um mundo que promete grandes aventuras, os personagens não conseguem segurar o interesse do leitor. As motivações dos protagonistas são fracas, e caem naquele velho problema do “dizer e não mostrar”. A autora pode me contar que Altan quer recuperar o trono, mas ela não me mostra com ações e conflito interno como ele se sente em relação a isso. Sentimentos que, quando mostrados, são contraditórios. Em um momento ele diz que não tem nada mais a perder, mas no capítulo seguinte está em profunda agonia porque ama demais seus amigos e não pode perdê-los por nada nesta vida.

Quanto a Ahn, a personagem é inativa, apenas segue o fluxo. Por vezes senti como se a personalidade e escolhas dela fossem moldadas apenas para a conveniência do plot. Se era necessário que ela se mostrasse corajosa, então ela mostrava seus poderes na frente dos inimigos; se era necessário que fosse inteligente, dizia frases interessantes (embora não necessariamente bem embasadas…). A personalidade inconstante me deu a sensação de ter seguido uma personagem por 400 páginas, e mesmo após terminar o livro, ainda não sei dizer quem ela é.

Os secundários não adicionam muito mais a história, com exceção talvez da Tang Wei, que tinha boa química com ambos protagonistas.

Além disso, os perigos da trama não deram a impressão de serem realmente perigosos. Afinal, para todo desafio da jornada, o plot dava uma resolução bastante fácil, na grande maioria das vezes sem precisar de esforço por parte dos protagonistas, o que tirava todo o mérito da jornada das costas dos personagens.

Já sobre o romance, ficou bem sem sal. Os protagonistas se sentem atraídos um pelo outro porque sim. Não existem cenas de conexão real, nem uma motivação que nos faça entender de onde vêm os sentimentos que permeiam sua relação. O motivo de não quererem ficar juntos só existe dentro da cabeça de cada um deles, só pra dar um draminha, e tem zero embasamento na trama.

Em resumo, Jade Fire Gold é um livro com uma premissa interessante, mas que deixa muito a desejar na sua execução. Com personagens desinteressantes e um roteiro que segue em frente sem grande esforço dos personagens, pode ser divertido para aqueles que buscam simplesmente a ambientação asiática feudal, mas não chega a ser cativante.

Avaliação: 2 de 5.

Texto por: Larissa Diniz (@kitsune.literaria)


Leia Também: Série “The Dropout” disponível com exclusividade no star+


Siga @Nerdrecomenda nas redes Sociais

Facebook Instagram Twitter

Deixe seu Comentário