O Aprendiz

“O Aprendiz” – Autor que uniu Star Wars, Senhor dos Anéis, Harry Potter e Pokémon (Taran Matharu))

“Se não formos capazes de enfrentar as adversidades unidos, então já estamos derrotados.” – Conjurador: O Aprendiz, Taran Matharu

Essa não era uma leitura que eu pretendia fazer no início. “O aprendiz” foi o típico livro comprado pela capa, mas do qual posso garantir, não me arrependo! Eu queria ser surpreendida, e fui. 

O autor Taran Matharu teve inspirações como Senhor dos Anéis, Harry Potter e – para surpresa de muitos – Pokémon. Sabendo que minha rasa experiência com animes se deveu, em muito, a um começo não muito construtivo com Pokémon, as chances de eu não gostar do livro pareciam bem razoáveis. No entanto, ao terminar o livro, já estava surtando para ler a continuação.

O Aprendiz
“O Aprendiz” – Taran Matharu | Capa, Editora Record

A leitura, desde o início, tem um ritmo constante e bem agradável. É gostosa e relaxante, não aquela coisa compulsiva e angustiante. É fácil entender o que está acontecendo no enredo, porém a cronologia dos acontecimentos não é tão clara. Não que isso seja de suma importância, porém, falando inteiramente por mim, gosto de entender claramente quanto tempo se passou entre uma cena e outra. Um mês, uma semana, um dia.

“Essa é a diferença entre um bom guerreiro e um grande guerreiro. Rook se esforçou muito, mas perdeu aquela batalha. Não se esforce apenas. Seja inteligente.”

O personagem principal, Fletcher, tem as características de Harry Potter: menino órfão que ama estar envolvido em confusões e situações embaraçosas, sempre metendo o nariz onde não lhe é chamado. Seu senso de justiça e igualdade são tão fortes quanto sua coragem e lealdade.

Abandonado ainda bebê foi adotado por Berdon, ferreiro de uma cidade pequena do interior conhecida como Pelego. Foi onde cresceu, aprendeu o ofício de seu pai adotivo, sempre sendo alvo de inúmeras injustiças praticadas por nobres, mas principalmente de um chamado Didric, que se achava superior aos demais devido seus status social elevado. Um velho soldado, ao visitar a cidade acaba por fazer amizade com Fletcher entregando-lhe de presente o diário de um conjurador morto em batalha. Ao ler este diário o jovem acaba invocando um demônio, e logo após um debate com o nobre Didric, Fletcher se vê na obrigação de fugir da cidade, encontrando abrigo em Corcillum.

O Aprendiz

Nesta leitura, você encontrará de tudo, desde demônios, orcs, anões, elfos até magias como invocações e conjurações. Dentre todos os personagens, cada  qual com sua peculiaridade, quem mais me encantou foi Sylva. Nela podemos ver os dois lados, o bom e o ruim. Fletcher se viu intrigado por esta personagem diversas vezes, tanto nas horas que ela fazia algo sem pensar, ou quando ela mostrava se importar, querendo ajudar e fazer o bem.

Com poucas páginas e numa leitura simples, você vai encontrar muita estratégia e armadilhas movidas por ambição e interesse, além muitas jogadas de poder.

“O maior inimigo de um guerreiro pode ser também seu maior professor.”

E por mais que tenham inspirações em Harry Potter e Senhor dos anéis, não vá esperando algo com alto grau de mistérios ou grande plot twists. Para quem gosta de fantasias e aventuras, certamente é um prato cheio, mas também não é tuuuuudo isso. É algo diferente e com um toque de familiaridade. No final, a leitura me entreteve o suficiente para despertar o desejo de continuar a leitura da trilogia.

LEIA MAIS: Crepúsculo: Uma boa hora para rever nossas atitudes

Siga @Nerdrecomenda nas redes Sociais

Facebook | Twitter | Instagram

Deixe seu Comentário

%d blogueiros gostam disto: